em Dicas

Intercâmbio Direito: 6 dicas para conseguir

Partir rumo ao exterior para estudar, seja que matéria for, sempre trará grandes benefícios para a carreira acadêmica ou profissional. E para quem pretende fazer intercâmbio de direito esses benefícios podem ser até maiores, desde que se tomem alguns cuidados. 

1- Como escolher o tipo de curso:

Não é uma boa ideia fazer o curso de Direito em sí, isto é, o bacharelado, no exterior. Os motivos são um tanto óbvios:

  • Diferenças de currículos e sistemas jurídicos de cada país trarão problemas para o futuro profissional
  • Dificuldades e burocracias para validar o diploma no Brasil

Tendo isso em mente, dividimos as escolhas em dois grupos:

  • Quem ainda está cursando direito: opte por cursos de pequena duração no exterior.
  • Quem já é formado em direito: prefira cursos de mestrado ou doutorado.

2- Como escolher cursos de curta duração:

A maneira mais fácil é procurar em sua própria faculdade convênios que por ventura tenham selebardo com instituições de ensino no exterior. Isso é muito comum no Brasil, principalmente nas melhores faculdades. Procurar os cursos de forma independente não só é muito complicado como trará, com certeza, mais dificuldade de validacão dos diplomas e aproveitamento de créditos, o que, normalmente, as faculdades brasileiras já acertaram com suas parceiras internacionais. 

A Faculdade de Direito da USP, em São Paulo, oferece diversas oportunidades:

  1. Edital Unificado Universidades Suíças
  2. Edital para o Programa de Intercâmbio na EBS Universitat fur Wirtschaft und Recht
  3. Edital Unificado Universidades Italianas
  4. Edital Unificado Universidades Alemãs
  5. Edital Unificado Universidades Espanholas
  6. Edital Unificado Universidades de Língua Inglesa
  7. Edital Unificado Universidades Francesas
  8. Edital Unificado Universidades Portuguesas
  9. Programa de Intercâmbio na Universidade de Osaka, Japão

Pesquise em sua faculdade quais os convênios disponíveis.

Confira: 50 dicas de intercâmbio: o guia definitivo!

3- Que tipo de curso fazer depois de formado?

Se seu intercâmbio de direito será após a graduação, opte por cursos de mestrado ou doutorado e, de preferência, assim que se formar. Isso permitirá que você se dedique aos estudos sem a preocupação com afazeres profissionais e responsabilidades referentes a causas em juízo. 

4- Como escolher o pais para intercâmbio de direito:

Um fator é determinante neste momento: você domina plenamente o idioma em que será ministrado o curso? Se a resposta é negativa, você precisa primeiro aprender esta língua, caso contrário, será impossível captar o conteúdo das aulas. 

Diversos países são propícios ao intercâmbio de direito, vejamos alguns:

  • Itália: Lembre-se que o latim é uma língua muito usada no direito. E esta língua surgiu na Itália. Fica clara todo tradição que este país carrega no estudo do direito.
  • Espanha: Um país que incentiva o intercâmbio, recebendo muito bem os estudantes.
  • Portugal: O fato das aulas serem ministradas no mesmo idioma atrai muitos inter-cambistas.
  • Alemanha: Neste país você encontrará excelentes bolsas de intercâmbio em Direito.
  • França:  Tradicional destino daqueles que buscam conhecimento na área do Direito Administrativo.
  • Estados Unidos: Um dos países com mais universidades de alto nível acadêmico do mundo. 

Estes são apenas alguns exemplos, muitos outros países oferecem oportunidades de bolsas ou intercâmbio para direito, cabe ao interessado pesquisar.

Não esqueça de verificar detalhes como custo de vida, clima, hábitos culturais e outras características do país que podem inviabilizar sua escolha. 

Curiosidade: Programa de intercâmbio é responsável pelo nascimento de 1 milhão de bebês

5- Como escolher o curso para seu intercâmbio de direito:

Escolha cursos que tenham relação direta com suas escolhas acadêmicas e profissionais, aqui, algumas sugestões, por tema: 

 A Universidade de Tilburg, nos Países Baixos, oferece alguns cursos de mestrado em diversas áreas, confira:

Veja também: Bolsas de intercâmbio: as 5 dicas de ouro para conseguir

Aproveite os descontos de intercâmbio da Descubra o Mundo.

6- Como fazer a validação do diploma de intercâmbio de direito:

  • Reconhecer e autenticar o diploma no consulado Brasileiro no país onde fez o curso.
  • Quando retornar ao Brasil, validar o documento em uma instituição pública de ensino superior.
  • Documentos requeridos (como duração do curso, conteúdo da grade programática etc), valor de taxas e o tempo para o reconhecimento são diferentes conforme a universidade.
  • Seu curso será validado somente se for semelhante a um curso de direito brasileiro.

Como você viu, existem diversas oportunidades de intercâmbio de direito no exterior, mas é preciso pesquisa e, principalmente, estudar muito. Entre em contato com uma universidade no Brasil e agilize esse processo.

Veja mais: Tudo sobre intercâmbio: guia completo que você precisa ler

Comentários

comentários