em Irlanda

Por que resolvi prolongar o intercâmbio na Irlanda 1 ano

Um dos riscos de fazer um intercâmbio na Irlanda é não querer voltar mais. A Tuyla Maia, brasileira de 27 anos, foi para Dublin estudar inglês – a princípio, por seis meses. Depois, passou seu intercâmbio na Irlanda para 1 ano.

Hoje, 1 ano e meio depois, continua por lá – segundo ela, até o fim de 2015.

Conversamos com a intercambista para entender por que, afinal, um intercâmbio na Irlanda de 1 ano é tão apaixonante e como foi a decisão de “ir ficando”.

Intercâmbio Irlanda 728x90

Saiba mais: GUIA: Quanto custa intercâmbio para Irlanda

Por que você resolveu prolongar o intercâmbio na Irlanda por 1 ano?

T: O principal motivo para ficar no intercâmbio na Irlanda mais um ano em Dublin foi já estar fora do país e aproveitar essa oportunidade. Eu queria viajar e aperfeiçoar ainda mais meu inglês. A cidade é pequena, então é possível fazer tudo a pé ou com transporte público, que funciona bem. Aqui conhecemos gente do mundo todo, que vem para estudar inglês e isso também me motivou a ficar: o fato de estar sempre em contato com outras culturas.

Confira também: Tudo sobre a Irlanda

O que te atraiu mais em Dublin?

T: Os irlandeses prezam muito pela qualidade de vida. Aqui, é possível trabalhar menos e conseguir ter uma vida tranquila. Sou suspeita para falar, mas também acho a cidade linda.

Saiba mais: Intercâmbio em Dublin, Irlanda: o mais divertido da Europa

O que é “ter uma vida tranquila” em Dublin?

T: Para se ter uma ideia, o custo médio de gastos básicos por mês é de 500 euros (aluguel e comida). O salario mínimo, trabalhando 40 horas por semana, é de 1.400 euros. É possível viver muito bem.

intercâmbio Irlanda 1 ano
Phoenix Park, em Dublin
Foto: Tuyla Maia/arquivo pessoal

Como é o seu trabalho?

T: Desde que eu cheguei na aqui, já faço intercâmbio na Irlanda há 1 ano ou mais, trabalho como “cleaner”, limpando escritórios. O trabalho é bem simples: tenho que passar aspirador nas salas e limpar as mesas. Aqui, eles não têm o mesmo padrão de limpeza que estamos acostumados. Para quem vai morar fora, é importante estar com a cabeça aberta para qualquer tipo de trabalho, já que um emprego na área é muito difícil. Eu não tive vontade procurar outro emprego porque meus horários são flexíveis e não trabalho aos finais de semana.

Como você conseguiu esse emprego?

T: Em Dublin, há muitas ofertas de emprego. A cidade é cheia de cafés, restaurantes, shoppings… Basta ter força de vontade e procurar. E quando falo procurar é andar mesmo, todos os dias! A dica é levar o currículo e se apresentar nos lugares, que geralmente colocam plaquinhas na porta anunciando as vagas. Há também sites de empregos parecidos com os do Brasil e funcionam. Atualmente, tenho dois empregos, ambos como “cleaner”, e um deles foi por um desses sites. A boa e velha indicação também conta. Então, se você conhece alguém por aqui, já sairá um passo à frente. O s irlandeses gostam muito de referências. Por isso, o primeiro emprego é sempre o mais difícil. Depois as coisas ficam mais fáceis. O pagamento aqui é por hora e o mínimo é 8,65 euros. 

Como você viu, depois de um intercâmbio de 1 ano na Irlanda, a Tuyla tem ótimas dicas!

Dicas para entender mais sobre como é estudar e trabalhar na Irlanda

Como foi o processo de prolongar o intercâmbio na Irlanda 1 ano a mais?

T: O processo é simples. É preciso ter 80% de presença no primeiro curso (por isso, é importante não faltar às aulas), pagar um novo curso e também o GNIB (Garda National Immigration Bureau – cartão da imigração que prova que você está legal na Irlanda).

Confira:

Na sua opinião, quais são as melhores regiões e bairros para estudantes morarem e por que?

T: Depois de um intercâmbio de 1 ano na Irlanda, aprendi que a maior parte dos estudantes vive na região central (Dublin 1, Dublin 2, Dublin 7 e Dublin 8). É onde está a maioria das escolas e, consequentemente, onde há mais brasileiros. Essas regiões têm os aluguéis um pouco mais caros também. Se a ideia é fugir dos brasileiros e ter mais conforto, o ideal são as áreas mais afastadas. Como o transporte público funciona, isso não é um grande problema. Pela cidade toda também há ciclovias. O preço do aluguel em Dublin é bem caro comparado a outras cidades da Europa: um quarto compartilhado na região central sai por cerca de 300 euros por mês.

DICA: Conheça o transporte público de Dublin
intercâmbio Irlanda 1 ano
Christ Church Cathedral, em Dublin
Foto: Tuyla Maia/arquivo pessoal

O clima de Dublin costuma preocupar os brasileiros. Como você se sente aí hoje?

T: Em Dublin, chove basicamente o ano inteiro, principalmente no outono e no inverno. Um intercâmbio na Irlanda de 1 ano ensina a gente sobre o frio! A primavera e o verão são mais secos, mas ainda assim chove cerca de três vezes por semana (MUITO!). Com o tempo, eu acabei me acostumando com o frio. Aprendi a me agasalhar com as roupas daqui, que são mais apropriadas. As casas têm aquecedor e, geralmente, são bem vedadas. Onde passamos mais frio mesmo é na rua.

Qual é a dica para enfrentar a chuva e o frio de Dublin, para quem quer fazer intercâmbio na Irlanda de 1 ano?

T: É sempre bom ter alguma blusa impermeável, já que a chuva não é forte como estamos acostumados no Brasil. Por ventar muito, os guarda-chuvas precisam ser muuuito resistentes ou serão descartados. Por isso, as blusas impermeáveis são mais usadas.

intercâmbio Irlanda 1 ano
Intercâmbio na Irlanda
Foto: Tuyla Maia/arquivo pessoal

E quais são os planos para os próximos meses?

T: Continuo em Dublin estudando inglês pelo menos até setembro de 2015. Depois, planejo viajar pela Europa e Tailândia e voltar para o Brasil no fim do ano. Gostaria de ficar por mais tempo na Irlanda, sei que será difícil me acostumar novamente com o Brasil. Mas penso em voltar, principalmente porque quero trabalhar na minha área.


E aí, que achou de fazer um intercâmbio na Irlanda de 1 ano? Não está na hora de você também encarar um intercâmbio? Se tiver dúvidas sobre a população, as escolas, a cidade, deixe seus comentários aí em baixo. A equipe da agência Descubra o Mundo pode te ajudar!

Ou então, baixe este e-book sobre intercâmbios de estudo e trabalho, como este que a Tayla fez: